Arquivo da categoria: Eu quero uma pra viver

Mais uns passos em círculo

tchau querida

Foto: Lucio Bernardo Jr. | Câmara dos Deputados

Recentemente a Piauí publicou trechos dos diários de FHC quando presidente. Lá pelas tantas, oligarcas do PMDB como Jader Barbalho e José Sarney movem uma CPI para investigar o tráfico de informações privilegiadas a instituições financeiras. Havia motivos nobres para tanto, mas a motivação dos senadores era torpe: a Receita Federal estava lhes cobrando uns caraminguás e eles desejavam retaliar o Governo. Ora, onde já se viu cobrar impostos das famílias que loteiam o Estado brasileiro? Continuar lendo

Anúncios

Desempacotando o pacote – retorno do ITCD progressivo é ótimo, mas aquém do que já foi

pacote2
Foto: Vinicius Reis/Agência ALRS

Desde 2009, no Governo Yeda, temos uma alíquota única deste imposto de 4% para heranças e 3% para doações em vida. Sartori propõe a retomada da progressividade, uma medida extremamente correta, pois tira mais de quem tem mais para ajudar o Estado.

Entretanto, pesquisando sobre o tema vejo que é mais um dos fatos que mostram como regredimos em várias questões da redemocratização para cá. À época líderes de partidos como PMDB e PSDB eram Ulysses Guimarães e Mário Covas, saíamos de uma ditadura de direita. Era um campo aberto para a aprovação de leis que visassem o bem-estar social. Continuar lendo

Austeridade é a palavra-chave para as campanhas eleitorais

A supporter of the Swedish Social DemocrUma constatação daquelas sem grandes dados estatísticos, mas com a certeza de estar certo pela observação que já vem de algum tempo: sempre que vejo alguém se opondo ao fim das doações empresariais nas campanhas, o sujeito não tem outra proposta. Admite que o funcionamento das eleições no Brasil tem que mudar, mas apenas se manifesta para embolar o meio-campo e colocar defeito na proposta. Uma rara exceção é o próprio ministro do STF, GILMAR MENDES, que está obstruindo a votação da inconstitucionalidade das doações empresariais, já defendida por seis dos dez ministros do Supremo. Em passagem por Porto Alegre, MENDES defendeu que as campanhas precisam ser mais baratas. Eu concordo com ele e explico daqui a pouco. Continuar lendo

Centro, volver

military intervention

 
Negar a realidade é sempre uma boa forma de seguir afundando. Vale, evidentemente, para Dilma e a base governista, vale também para a oposição à direita. Dizer que os que apoiavam um golpe, intervenção, ou coisa parecida, eram uma minoria insignificante nos protestos, pinçada a dedo por esquerdistas é mentira. Pesquisa feita pelo Instituto Amostra apontou que 12,5% dos manifestantes de Porto Alegre acreditam que em caso de queda de Dilma Rousseff os militares deveriam assumir o poder. A pergunta é dúbia, tornando possíveis tanto a interpretação de que a questão era se o entrevistado sabia quem deveria assumir o poder de acordo com a lei, ou quem ele gostaria que assumisse. De qualquer forma, uma em cada oito pessoas no protesto na capital gaúcha estava ali mesmo admitindo acreditar que os militares poderiam assumir o poder. Continuar lendo

Memórias da Era FHC

fabico

Foto: UFRGS

Uma pesquisa Datafolha da semana passada mostra que a faixa etária na qual Aécio Neves obtinha maior vantagem nas intenções de voto é entre pessoas de 16 a 24 anos. O dado não surpreende. São pessoas que tinham entre 4 e 12 anos quando Lula foi eleito pela primeira vez. O padrão a que o Brasil chegou não lhes é nada mais que o normal. Querem mais, e é natural (aliás, todos nós queremos). A diferença é que não sabem de onde o petismo tirou o país. Esse jovens vivem num lugar cheio de mazelas, mas não sabem que há pouco tempo era bem pior. Embora eu seja um pouco mais velho e não tenha tantos amigos com esta faixa etária, é para os mais jovens que escrevo este texto.

Entrei na Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação (FABICO) no início de 2004. O Governo Lula tinha um ano. Quer dizer, já não foi bem no início de 2004. As aulas, que normalmente começam nos primeiros dias de março, só começaram no fim do mês. Era um resquício de uma longa greve feita anos antes pelos professores da UFRGS, que deixou o calendário maluco. Só no segundo semestre de 2004 tudo voltou ao normal. Nunca mais houve uma greve duradoura dos professores da UFRGS, apenas pequenos movimentos, normais em períodos de negociação. Continuar lendo

Análise da licitação – agora no Sul21

Por Ramiro Furquim/Sul21

Foto: Ramiro Furquim/Sul21

A análise da licitação segue, mas no Sul21. Acompanhem:

http://www.sul21.com.br/jornal/licitacao-do-transporte-publico-em-porto-alegre-entenda-o-que-diz-o-edital/

Análise do edital de licitação – parte I: a Prefeitura quer quebrar a Carris?

onibus2

Foto: Prefeitura de Porto Alegre

Durante os meses que antecederam a publicação do edital para licitar o transporte público de Porto Alegre, o diretor da EPTC, Vanderlei Cappelari, explicou que a Carris ficaria apenas com as linhas transversais. Isto passou batido, até porque falando assim parece apenas um bom modo de organização. Uma bacia faz as linhas que levam do centro a leste; outra faz do centro ao sul; uma terceira do centro ao norte, e a empresa pública faz as transversais, tudo muito tranquilo.

Agora que o edital saiu, porém, parece que a Carris sai perdendo, e que isto favorece as empresas privadas. Continuar lendo